Macdata disponibiliza o SCTr Web – Sistema de Cálculos Trabalhistas – com 50% de desconto para contadores

Programa é resultado de tecnologia com evolução contínua em
provisionamentos e liquidações de processos

SCTR logoO SCTr Web proporciona aumento de demanda por serviços, elevando faturamento e produtividade, nos escritórios de contabilidade que pretendam atuar em cálculos de liquidação de processos trabalhistas ou para aqueles que já participam desse mercado.

Considerando o elevado número de processos trabalhistas, mais de dois milhões por ano, é possível enxergar essa área como uma oportunidade. Os serviços prestados nesta abrangem as empresas (reclamadas) e os reclamantes, pois ambas as partes são obrigadas a apresentar cálculos à Justiça.

Atualmente, nenhuma empresa está livre de um processo trabalhista, seja restaurante, farmácia, posto de gasolina ou empresa de grande porte. A assistência em cálculos é essencial, em muitos casos, devido à falha na apuração de valores com exatidão. Daí, não raro, serem arbitradas quantias superiores às devidas.

Execução

Não menos importante que a fase de execução as audiências promovidas para a celebração de acordos devem ser municiadas com valores corretos, caso contrário o prejuízo será evidente. Mesmo porque há de se considerar que, com frequência, são formulados pedidos indevidos e que deverão ser excluídos do risco. Outro aspecto importante diz respeito aos recolhimentos de INSS e Imposto de Renda que o sistema apura, automaticamente, de acordo com a legislação.

O usuário pode utilizar as mais diversas formas de apuração, até mesmo para cálculos estimativos, pois o sistema possui rotinas de evolução de valores com base em diversos índices. Os relatórios analíticos demonstram em detalhes a apuração de cada verba individualmente, o que permite a utilização em serviços de perícias prestados à Justiça.

Experiência

O SCTr Web tem como precursor o SCTr, o primeiro programa de cálculos trabalhistas lançado no Brasil. É resultado de mais de 20 anos de experiência da Macdata na área de provisionamentos e liquidações de processos.

O produto é comercializado no sistema SaaS – Software como Serviço – o que permite à Macdata disponibilizar toda a infraestrutura (inclusive parceria com a AWS Amazon Web Services) aos usuários com precisão e segurança em qualquer localidade que possua internet.

http://www.macdata.com.br/sctr/

Banner SCTr Web

Supersimples é a reforma tributária possível e precisa avançar, defende Sérgio Approbato Machado Júnior

O presidente do Sescon SP e da Aescon SP retrata a Contabilidade,
área de ampla interface com o Direito, num quadro contrastante,
composto por luzes e sombras

Approbato 1Sobrinho de Rubens Approbato Machado, ex-presidente da OAB SP, e filho do falecido Sérgio Approbato Machado, que ocupou a presidência do Conselho Federal e Regional de Contabilidade, Sérgio Approbato Machado Júnior é exemplo vivo, com registro no DNA, do parentesco entre essas duas atividades de alta responsabilidade, a ponto de serem as únicas a exigir um exame de proficiência, além do diploma, para o exercício profissional.  Preside o complexo Sescon/Aescon São Paulo (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas e a Associação das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo) que conta hoje com 8 mil associados e 85 mil filiados. São 250 funcionários atuando em 12 regionais.

Otimista com os avanços do Supersimples na área tributária, que beneficia inclusive a maioria dos escritórios de advocacia, revela sua total afinação com o ministro de Estado chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, que tem por hábito convocá-lo para colaborar diretamente nos desafios de questões vitais, como a estruturação do próprio Supersimples e do e-Social, um “programa que apresenta vícios de origem, mas que está sendo reformulado e deve ser reapresentado à sociedade em outubro deste ano.” No sangue do dirigente, pragmático e bonachão, também corre a paixão pelo Corinthians, que, a seu ver, é também uma das metáforas do Brasil: “aqui as coisas só acontecem na raça, com sofrimento.”

Como avalia os impactos do Supersimples, nova forma de tributação que tem sido bem recebida pelos advogados em geral?

Aqui no Brasil, as coisas só acontecem na raça, com sofrimento. É muito parecido com o Corinthians (abre largo sorriso). É o caso do Supersimples, uma fatia da reforma tributária, o que está sendo possível fazer nesse campo. Essa nova sistemática beneficia 95% das empresas. O mercado dos advogados é parecido com o de contabilidade. Destacam-se algumas empresas de grande porte, mas a maioria é formada por pequenos escritórios. Pode-se dizer que neste último universo há satisfação com a mudança. Mas ela não pode parar aí. Deve prosseguir. Tenho participado diretamente de grupos de trabalho ligados ao Supersimples a convite do ministro Afif.

O que está sendo discutido agora?

A questão das tabelas, por exemplo. Existe resistência por parte da Receita diante da sinalização de que haja uma revisão das tabelas nas mudanças das faixas. Defendo que, hipoteticamente, quando o faturamento de uma empresa suba de 100 para 101, o imposto cobrado seja elevado de 10% para 20% apenas no que exceder os 100. Seria uma mudança gradual. Isso desestimularia muito a sonegação. Eu chamo isso de jogar a favor do País, favorecendo o empreendedorismo.

Acredita que com uma eventual mudança na chefia do Executivo, ou mesmo um segundo governo Dilma, reformulado, essa nova forma de cobrar impostos seguirá evoluindo?

Precisa haver continuidade. Que o futuro governo mantenha a Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Ela é importantíssima, pois traz conceitos inovadores. Pode até mudar o ministro, mas a secretaria tem de permanecer, apesar da grita em relação à quantidade de ministérios.

E quanto a uma reforma tributária mais ampla?

Acho difícil uma reforma de cima para baixo, pois são muitos os interesses. Temos de considerar, em primeiro lugar, a questão da guerra fiscal entre Estados. Há o risco de aprovação da Súmula Vinculante 69 pelo Supremo Tribunal Federal, o que tornaria inconstitucionais os benefícios fiscais concedidos pelos Estados. Quem investiu numa planta, por exemplo, motivado por um desses incentivos, está preocupado. Creio que a melhor solução seria a negociação no Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária).

O atual sistema tributário é fator de desestímulo ao investimento estrangeiro produtivo?

A burocracia tributária é um dos pontos de desestimulo, mas existem outros. Todo dia nasce uma nova lei, regulamento, nas áreas tributária, trabalhista e previdenciária, que são as que mais afetam o mercado corporativo. As empresas precisam ter um departamento para acompanhar tudo isso. E também agora surgem os controles eletrônicos que integram as informações. A iniciativa é boa, mas atinge uma estrutura complexa e mutável.

Essa questão nos leva ao e-Social.  Em que pé está o programa?

Atuo no grupo de trabalho confederativo. O programa apresenta vícios de origem, mas está sendo reformulado e deve ser reapresentado à sociedade em outubro deste ano. Os erros partiram da ideia de se convidar apenas grandes empresas para elaborar do projeto. Queriam que o boteco da esquina tivesse a mesma estrutura de uma multinacional. Mas a realidade é que mais de 90% das empresas no Brasil não tem departamento de Recursos Humanos. Mal contam com departamento de Pessoal. O escritório de contabilidade acaba fazendo esse papel, só que não é sua função. Então agora tudo está sendo repensado. Inclusive a questão da infraestrutura para enviar os dados cadastrais pela Internet. Seria temerário fazer atualizações com esse volume de informações ao mesmo tempo na rede.

Como deve ser o perfil das empresas e profissionais de contabilidade hoje?

Precisam estar antenados e inteirados. Se não se atualizarem constantemente, têm de sair do mercado. Ninguém pode se acomodar. Cito como exemplo a questão da desoneração da Folha de Pagamento. Como funciona essa lei numa empresa com 100 tipos de produtos, mas que apenas 25 estão desonerados? Ninguém sabe ao certo. O empresário brasileiro está mais consciente, acreditado mais no seu negócio, investindo. Mas deve-se tomar cuidado com medidas como esta, que podem surtir efeitos contrários ao que se deseja. Imagine o industrial que investiu em maquinário moderno para aumentar a produtividade e agora terá de pagar mais impostos porque tem menos funcionários. Tudo isso exige capacitação dos que lidam com contabilidade.

______________________________________________________________________

Educação continuada garante atualização aos profissionais de contabilidade

Sescon 1

Edifícios do Sescon, Aescon e Unisescon: infraestrutura moderna

A UNISESCON (Universidade Corporativa do SESCON-SP) foi implantada oficialmente em 2005. Tem como missão promover, além da formação de pessoas, o conhecimento, a tecnologia, a cultura e o lazer, indispensáveis ao desenvolvimento científico, cultural e socioeconômico, em particular das categorias representadas. Apoiada em soluções educacionais corporativas, planejamentos e definições de estratégias pedagógicas, a UNISESCON disponibiliza diversos programas de aprendizagem, atualização permanente, qualificação acelerada, cursos profissionalizantes e outros, com metodologias que proporcionam maior produtividade na relação ensino-aprendizagem. A instituição funciona em edifício anexo ao Sescon SP, na Av. Tiradentes, capital paulista. “Temos cerca de 16 mil alunos/ano matriculados em cursos diversos, na maioria de breve duração”, explica o reitor Sérgio Alexandre de Souza. A UNISESCON mantém convênios com instituições acadêmicas, como o Mackenzie, e empresariais, como o Sebrae. Também oferece cursos preparatórios para o exame de Suficiência em Contabilidade.

Banner SCTr Web